12 de janeiro de 2017 Lelo 1Comment

Senta que lá vem post!

Essa semana no grupo de discussão do facebook uma perua indicou uma loja que estava oferecendo parcelamento no cartão de crédito BRASILEIRO. Na mesma hora eu liguei na loja e falei com o pessoal e eles disseram que não.

Eis que eu, quase alto, quase magro, quase rico mas graças a Deus bem saudável, expliquei que por uma resolução do BANCO CENTRAL BRASILEIRO é impossível parcelar compras internacionais.

E que fora do país é necessário usar um cartão com liberação internacional .

Acontece que eu tive que ir ao Paraguay logo uns 2 dias depois do acontecimento, porque eu e a menina ( e mais uma amiga dela) discutimos feio por causa disso.

Aí eu estava lá aguardando a entrega de uma mercadoria e a loja anunciou no sistema de som que era possível comprar em até 10 parcelas, com cartão brasileiro. Eu fiquei tipo:

DAE eu fiz o que a voz mandava, fui até o caixa específico e houve o seguinte diálogo:

Tio Lelo: Moça, eu queria saber como funciona o parcelamento no cartão.

Moça Muito Maquiada: Você já fez suas compras?

TL: Ainda não, porque eu não sabia que dava para parcelar e agora me animei.

MMM: Então pode fazer suas compras e depois vem pagar neste caixa, passamos no cartão em Real mesmo.

TL: Mas e as taxas?

MMM: É somente isso senhor.

TL: E o cartão não precisa ser internacional?

MMM: Não.

TL: E se eu…

MMM: É somente isso senhor. 

E ela  saiu e me deixou falando sozinho. Não há explicação sobre como a coisa acontece.

Esse tipo de prática já aconteceu anteriormente em umas lojas de informática, eles usam aquela maquinas de cartão de crédito com chip de celular.

E qual é o problema disso? É crime.

Para receber uma conta em cartão de crédito Brasileiro, é necessário ter um CNPJ ativo, emitir nota fiscal e  recolher impostos. Como a empresa fica no Paraguay essa operação é lavagem de dinheiro.

No caso das lojas de informática que faziam isso, um tempo depois pararam pois houve muita clonagem de cartões – afinal o cliente tbm está fazendo algo ilícito e não tem como “reclamar na operadora de cartões” e aí os compradores faziam escândalos e tudo e tal em lojas, eu já presenciei um.

Em 2015 ou 2016 o Dutty Free achou uma “brecha” e também comercializou por um período curto – acho que uns 2 ou 3 meses – compras via PagSeguro, o sistema da UOL e aí parou, por questões de recolhimento de impostos que inviabilizaram a operação.

Então se alguma loja te oferecer parcelamento EM CARTÃO DE CRÉDITO no exterior, saiba que você está sendo cúmplice de um crime. E que se o seu cartão for clonado você não terá como reclamar.

Uma pena que a loja em questão – que era um lugar que eu costumava indicar e que agora será com ressalvas, não vende fantasias, senão você já poderia aproveitar e comprar um uniforme pro cadeião.

#bença!

  • Lauane Ferreira de Melo

    Eita gente! :O